Plug Marketing&Comunicação | Como lidar com críticas
265
post-template-default,single,single-post,postid-265,single-format-standard,ajax_updown,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Como lidar com críticas

Como lidar com críticas

Como lidar com críticas

Críticas. Todo designer pede (ou recebe), mas nenhum quer realmente escutar caso não seja um elogio. Eis algumas dicas que podem te ajudar a lidar com as críticas negativas no trabalho – seja de clientes, ou de colegas de trabalho.


Até certo ponto, design é uma questão de gosto. E muitas vezes, as pessoas para quem trabalhamos não gostam das idéias que implementamos nos projetos que estamos desenvolvendo para eles. O pessoal do Design Instruct perguntou a alguns designers reconhecidos como que eles lidavam com o feedback e quais eram suas estratégias para lidar com as críticas construtivas (e destrutivas) do seu trabalho.

Neste artigo vou focar na crítica como um geral, independente de ser uma crítica construtiva ou destrutiva. Mas primeiro vamos aprender…

As diferenças entre as críticas

Antes de começar, devemos saber definir a diferença entre as formas de críticas. Existem as críticas construtivas e críticas destrutivas.

As construtivas oferecem uma análise juntamente de uma solução ou uma explicação do por que a pessoa não aprovou do que você fez. Geralmente, fica assim:

“Não gostei muito deste cinza, pois deu ar formal demais e fugiu do propósito de ser um logo descontraído. O mesmo vale para este tipo serifado, que mais parece algo que escritório jurídico utilizaria e não nós, uma empresa de jogos.”

Serious Capcom is serious

Notou como a pessoa explicou por que não gostou? A opinião não necessariamente é pessoal (por exemplo, a tipografia), mas outras vezes o cliente pode apenas não ter gostado do azul por não ser uma cor que ele goste pessoalmente.

Já a crítica destrutiva é simples, sem explicação e em 99% dos casos é a opinião pessoal do avaliador, fundamentado em nada objetivo. Um belo exemplo:

Não gostei desta imagem que você fez. Refaça.”

Uou. Ok então. Do que exatamente a pessoa não gostou? As cores? A diagramação? A tipografia utilizada? A crítica não serviu de nada. Você apenas sabe que, de acordo com o gosto pessoal dele, o avaliador não gostou.

Peça uma crítica construtiva

Quando recebo críticas destrutivas assim dos meus clientes (do tipo, “Tá uma m***” e pronto), faço todo um questionário para saber o que tá errado e por que ele não gostou.

  • Você gostou das cores? Se não, por quê?
  • Você gostou da fonte? Se não, por quê?
  • Você gostou da diagramação? Se não, por quê?
  • Você gostou das fotos / imagens utilizadas? Se não, por quê?

Pode acontecer do avaliador não souber responder por que não gostou de algo determinado, apenas “sabe que não gostou”. Este é o tipo de cliente que requer mais jogo de cintura para tentar entender, pois ele não sabe o que quer e só vai saber quando ver. Tipicamente este acredita que você possui poderes sobrenaturais de adivinhação ou que você sabe ler mentes, então uma das soluções é usar outras ferramentas de criação, como o benchmarking ou escala de valores.

Chris Spooner, do excelente Spoon Graphics, aconselha:

Evite a frase “O que você acha?”. Como designers, não queremos saber das opiniões pessoais de uma pessoa. Queremos fazer algo que funciona para um público-alvo pré-determinado ou que acerte em resolver um certo problema. Perguntar ao cliente o que ele acha dá margens a respostas como “Não gosto de azul”, sendo que é algo totalmente não relacionado ao propósito do design no qual você está trabalhando.

No lugar disto, ele sugere escolher suas perguntas específicas baseadas nos objetivos do projeto, como “Este azul é relacionado com o público-alvo de homens de 12 a 16 anos?

Aprenda a ser forte

Sabe aquele design que você passou horas fazendo e seu cliente chegou e disse que não estava bom o suficiente? Os momentos que você apresenta um job para um cliente e ele fica inteiramente satisfeito são raros e na maioria das vezes você terá que aceitar uma crítica negativa.

Eric Vasquez, um designer e artista que teve trabalho publicado no “Advanced Photoshop Magazine” e “The Art of Fashion Art Exhibit” comenta:

“Algumas vezes você fica achando que tudo que você cria está sendo rejeitado ou dilacerado. Eu já trabalhei com algumas pessoas que falavam super mal do meu trabalho mesmo antes de sequer terminar! No fim das contas, eu acho que este tipo de crítica negativa é necessária pois ajuda você a desenvolver uma força maior para lidar com estes problemas. É importante se focar, conseguir o maior número de informações possíveis e realmente escutar o que seu cliente tem a falar para que você possa entregar o que ele quer”

Seja profissional e mantenha o rebolado

Quando estiver solicitando uma crítica, é imperativo que você continue sendo profissional, independente de como o cliente responde. Também ajuda bastante se você não for muito intimamente ligado ao seu trabalho.

Quando apresentar o job pro chefe (ou cliente), seja confiante, dê sua opinião profissional e explique o por que das suas escolhas no design. Apresente primeiro o processo pelo qual você passou (justificando as escolhas a seguir) e só então mostre o projeto.

Grace Smith, uma designer respeitada e blogueira, compartilhou: “Eu sempre faço a distinção entre pessoal e profissional, o que faz sentir-me melhor como designer e como pessoa.

“Quando recebo uma crítica negativa, eu fico de olho na minha posição de defesa e lembro que a maneira que eu responder à crítica diz muito sobre minha pessoa. Eu descobri que apresentar um conceito ao cliente com uma explicação detalhado faz com que ele entenda melhor o design como um todo. Isto geralmente me dá um retorno mais construtivo do que negativo”

Não leve pro lado pessoal

Quando recebemos uma crítica negativa sobre nosso trabalho, muitas vezes podemos achar que é uma crítica a nosso gosto pessoal, estilo e visão de design. Mas é importante lembrar que design é subjetivo.

Jav Cavan, uma designer gráfica e web e um das convidadas a falar no Future of Web Design aconselhou: “Nunca leve [a crítica] pro lado pessoal. Não faça isto pois isto não vai fazer nenhum bem a você.”

Cavan compartilhou uma experiência que ela teve com um de seus críticos: “Eu recebia e-mails dizendo que meu design era chamativo demais, citando algo que eles gostavam que não passava de um site com o estilo dos anos 90 – chapado e sem dimensão. Era inevitável ficar frustrada.

Defenda suas escolhas

Se você vê que a crítica é destrutiva, sem sentido algum, lembre-se que você é um profissional. Você foi contratado devido a sua experiência e perícia.

Tento descobrir exatamente o que ele não gosta sobre o design“, diz Simoma Pfreundner, uma designer e ilustradora alemã. “Se eu acredito que a peça está boa, tento explicar o design ao cliente.

Justifique seus motivos por fazer algo de uma maneira específica se você acreditar que a parte criticada do seu trabalho não tem motivos a ser criticada. Se a análise for quanto as cores utilizadas (por exemplo), compartilhe sua lógica que levou a escolher elas. Se você está tendo dificuldades em explicar ou talvez sua escolha tenha sido arbitrária, então talvez seu cliente tenha razão.

Como você lida com as críticas? Qual sua reação ao receber uma crítica destrutiva? Deixe seu comentário contando!

 

No Comments

Post A Comment